• Virgílio Varela

A consciência do Interser e o despertar de nossas potencialidades


“O sucesso de uma intervenção depende da condição interior do interveniente" Bill Obrien

O sucesso da sua ação como líder e agente de mudança depende do lugar interior de onde opera. Esse lugar interior não só influencia a ação do líder mas também tem influência no que ele ou ela vê, escuta e entende na sua relação com o mundo.


A pandemia da COVID 19, as alterações climáticas, a guerra na Ucrânia e a crise ecológica são desafios globais complexos que estão interligados. Sinto tristeza porque estes fenómenos são o resultado do nosso comportamento humano no planeta.


Produto da voz de dentro da nossa cabeça que diz que somos o mais inteligente dos seres, que podemos explorar a natureza e os seres vivos para satisfazer as nossas necessidades temporárias, que somos o centro do cosmos (temos uma era geológica com o nosso próprio nome: antropoceno), que podemos destruir tudo o que nos causa medo! Tudo o que desconhecemos!


Ao mesmo tempo, existe uma outra voz mais sussurrante, mais delicada mas firme, que sabe que temos todas as respostas dentro de nós. Sabe que fomos concebidos para estes tempos, com a essência e a capacidade de desenvolver o nosso potencial, além da nossa imaginação.


Para mim, é a consciência da nossa interdependência e da nossa unidade, que ativa novos campos de possibilidades e sinergias. É a cura do que antes não tinha esperança, do que era escasso, do que causava medo e apatia. Este olhar de abundância é possibilitado pela consciência do Interser.


Para ultrapassar os desafios que temos à nossa frente precisamos da nossa totalidade: corpo, mente, emoções, imaginação, energia. A nossa totalidade inclui a ligação com os nossos antepassados, com a nossa essência, com o planeta Terra, com a história do local, com todos os seres vivos e as gerações futuras.


A consciência da nossa interdependência dá-nos bilhões de anos de sabedoria, é fonte de inesgotável energia, dá-nos a humildade e a força da ligação à Teia da Vida. Lembra-nos do privilégio de pertencer, de estar vivo, de poder expandir quem somos, de Interser.


Precisamos desta consciência Interser não só para o nosso autodesenvolvimento mas para crescermos juntos como humanos, para ganharmos perspectiva, para trazer mais saúde ao nosso planeta e para o florescimento das gerações futuras.


O sucesso de uma ( escuta, observação, relação) intervenção, depende do estado interior do interveniente. Este é um convite à escuta detetive do seu interior, escute como se estivesse um intruso na sua casa. Com curiosidade de quem quer entender. Note nos momentos de raiva, nos momentos de tristeza e medo, o que está vivo dentro de si, que gatilhos fazem perder o seu centro.


Note o seu estado anímico. Quando estamos cansados dificilmente apreciamos a beleza ou as qualidades únicas da nossa equipa. A qualidade da nossa presença comunica antes da nossa fala. É uma energia que se manifesta de dentro para fora.


A consciência interser é reconhecer e acolher toda a diversidade das nossas emoções, das nossas relações e entendê-las não como corpos estranhos mas antes como parentes, irmãos e irmãs, primas e tios, e tias que se estendem não só aos seres humanos mas a todos os seres vivos. Esta consciência ativa as qualidades de empatia, compaixão, inteligência coletiva, sentimento de comunidade, visão do todo, a ideia de que tudo o que acontece hoje é uma lição importante para o futuro; todas as pessoas que nos ensinam algo passam a estar ligados a nós; quase tudo o que utilizamos roupas, comida, carros, a nossa casa foram produzidas por milhares de outras pessoas. Tudo isto conecta-nos a algo maior do que nós próprios.


Deixo-lhe um convite, na sua próxima interação com alguém ou com um ser vivo; no seu próximo momento de tomada de decisão, procure determinar se opera geralmente do seu ego ou se tem uma visão interdependente nas suas decisões? Investigue qual é a sua condição interior nos momentos em que precisa liderar? Vem de um lugar de integridade? De uma consciência interser que reconhece a diversidade como força e sinal de saúde? Opera de um lugar que vê a si próprio e ao mundo como um sistema vivo, desenvolvendo capacidades para manifestar a totalidade do seu potencial? Que condições contribuem para estar no seu melhor?


Nem sempre vamos acertar, ou fazer bem. É um ritual que nos torna mais resilientes à medida que praticamos. Mas acredito que ao existir esta reflexão, temos uma alternativa à nossa rotina mental, podemos operar de um lugar mais poderoso e suportado. Podemos operar da fonte e aceder uma inteligência atemporal.


É fundamental a nossa auto-observação interna pois há um mundo de fenómenos, inteligências e relações à espera de serem escutados.

64 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo